13 de fev de 2007

Erva-mate

Erva-mate com frutos em plena avenida Ruperti Filho! É uma planta linda e boa para arborização pública por seu porte pequeno, só é preciso alguns cuidados na hora de plantá-la. Combina muito bem com a Terra do Chimarrão!

Arborização pública


INFORMES DA SEMMA

Nova lei de proteção à Mata Atlântica suspende atividades de licenciamento florestal: informamos que a Semma está com as atividades de licenciamento florestal suspensas até segunda ordem, conforme orientação dos órgãos estaduais. As atividades devem ser retomadas assim que a nova lei federal 11.428 de dezembro de 2006 for devidamente estudada pela Sema (Secretaria Estadual de Meio Ambiente). Os processos de arborização pública (árvores das calçadas) e eventuais cortes de árvores isoladas continuam sendo atendidos normalmente.

***

Férias: o responsável pela Semma, engenheiro agrônomo Fernando Heissler, avisa que estará de férias de 1° de fevereiro até depois do carnaval, retomando suas atividades normais na quarta-feira de cinzas, dia 21 de fevereiro de 2007.

***

VAMOS FAZER DE VENÂNCIO AIRES UMA CIDADE MAIS VERDE?

Todos os dias a Semma recebe pedidos para cortar árvores da arborização pública. Cada caso é analisado individualmente e, após vistoria, a árvore é ou não liberada para ser suprimida. Não raros são os casos de descontentamento com a decisão e descumprimento do alvará emitido, o que acaba gerando desgastes para os técnicos da Semma e para o próprio cidadão que acaba por ser autuado, pagando uma multa considerável por árvore cortada. Toda a liberação de corte vem associada a uma obrigação de plantio, sempre detalhada no alvará de manejo florestal.
A arborização pública é de competência do município e só a ele cabe a decisão de retirar ou não um espécime. Nos casos em que há solicitação de um cidadão, após análise, fica este responsável pelo replantio, sempre respeitando as normas estabelecidas pela Semma.
Cabe lembrar que o simples fato de protocolar o pedido de corte não garante ao cidadão autorização para fazê-lo, devendo aguardar o parecer técnico e emissão do alvará, que deverá ter em mãos, guardando-o para eventuais fiscalizações e consultas.

NORMAS PARA PLANTIO NA ARBORIZAÇÃO PÚBLICA

Com relação às espécies é recomendado o plantio de mudas nativas de porte adequado e capazes de conviver com os equipamentos urbanos. A seguir uma lista de algumas das espécies recomendadas para calçadas sem rede elétrica (em calçadas com rede aérea não devem ser plantadas espécies de grande porte. São recomendadas apenas as marcadas com *): Pitangueira (Eugenia uniflora) *; Quaresmeira (Tibouchina granulosa)*; Araçá (Psidium sp) * ; Camboim (Myrciaria sp)*; Açoita-cavalo (Luhea divaricata); Ipê-amarelo (Tabebuia crhysotricha); Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae); Tarumã (Vitex megapotamica); Primavera ou manacá (Brunfelsia mutabilis) *; Erva-mate (Ilex paraguariensis)*, guabiju (Myrcianthes pungens)*; Chal-chal (Allophylus edulis).

As mudas deverão Ter altura mínima de 1,8 metros e amarradas a tutores, seguindo o disposto abaixo. Não é permitido o plantio de Ficus sp., Pinus sp., tuias, ciprestes, ligustros, tipuanas e outras espécies não nativas do Estado. Além disso não é permitido o plantio em canos, a menos que este tenha pelo menos 80 cm de diâmetro.

Distâncias e medidas a serem observadas para o plantio:
Recuo da muda em relação ao meio fio: 40 cm
Distância de acesso a garagem: 1,5 m
Distância de placas de sinalização: 5 m
Distância das esquinas a partir do alinhamento predial: 5 m
Canteiro quadrado: 80 cm x 80 cm
Distância de bocas-de-lobo: 2 m
Distância entre árvores: 6 m


Posto isso, a Semma gostaria de convidar a todos os cidadãos a transformar Venâncio Aires em uma cidade exemplo no que se refere à arborização urbana. Isso não acontece do dia para a noite, mas só se tornará possível se cada cidadão fizer uma pequena parte, cuidando da sua calçada, da sua rua, do se pátio e das árvores que se localizam nesses locais.
Árvore “levantando” a calçada é a justificativa mais freqüente para a supressão de espécimes da arborização pública. Na prática o que vemos é que muitas dessas calçadas nunca são consertadas, mesmo depois de retiradas as árvores, dando um aspecto de abandono e desleixo. Em muitos casos a retirada dessas árvores nem se faz necessária, podendo-se reformar o calçamento, bastando que se deixe um canteiro mais adequado.

CUIDE DAS ÁRVORES

As árvores fazem parte do ambiente urbano. Dificilmente sobreviveríamos sem elas já que exercem importante papel para a melhora da qualidade de vida, beneficiando a todos os cidadãos. Além de embelezar a cidade, as árvores fornecem sombra, absorvem partículas poluentes, amenizam o clima, servem como barreira para ventos, além de muitas outras qualidades conhecidas por todos nós. Sendo assim, para o seu próprio bem, cuide das árvores. Não quebre galhos, não fixe pregos ou outros metais e muito menos transforme a árvore em suporte para sacolas de lixo. Não as pinte, não as danifique. Não faça podas drásticas, elas prejudicam o crescimento da planta e as expõem a doenças como fungos, diminuindo sua expectativa de vida. Se precisar, faça uma manutenção para levantamento da copa, retirando com material adequado galhos muito baixos que possam ser quebrados por pedestre ou veículos ou avise a Semma de árvores que necessitam de manutenção. Se possível, após o corte dos ramos, passe um produto para evitar fungos que podem matar as plantas. Antes de plantar uma muda consulte a Semma para fazê-lo de maneira adequada, observando a espécie, época de plantio e normas para a realização desta ação. Isso evitará muitos problemas futuros.
Se você tiver alguma dúvida ou questionamento, não hesite em procurar a Semma. Denúncias de corte e podas também podem ser feitas aqui.

Trate as árvores com o respeito que todo ser vivo merece.

(Bióloga Mariana Faria Corrêa)

Corujão


Na semana passada atendemos a mais um animal ferido. Um corujão-de-orelha foi encontrado proóximo ao acesso de Mariante, no asfalto, com a asa quebrada. Um morador local recolheu o animal e avisou a Semma. Após análise do animal pelo veterinário Luciano Frozza, constatou-se que a fratura tratava-se de um tiro, esmigalhando o osso da asa da coruja. Ela foi levada para uma clínica veterinária em Porto Alegre onde teve a sua asa amputada. Caso se recupere da cirurgia será levada para um criador conservacionista.


Saiba mais...

Com cerca de 50cm e peso de mais de um quilo, essa coruja também conhecida como mocho-orelhudo (Bubo virginianus) é um predador de porte, do tamanho de um caracará. Caça outras aves, muitas vezes no interior de ocos, além de alimentar-se de ratos e outros vertebrados. Apesar do tamanho, não é fácil de ser encontrada durante o dia. Esconde-se no meio da folhagem das árvores ou sobre ninhos abandonados. Como em outras corujas, é mais facilmente escutada à noite do que observada. No período de reprodução, canta muito, um chamado relativamente longo e com uma interrupção no meio, parecendo estar dizendo “João...curutu”. A primeira parte é mais grave e a segunda, mais aguda e rápida. Responde a uma imitação e aproxima-se para verificar a fonte. Canta mais de julho a dezembro.Coloca seus ovos nos ninhos de outras aves ou no chão, entre capins (raramente).No adulto, destacam-se as “orelhas”, penas mantidas altas nos lados da cabeça, embora não tenham qualquer função auxiliar na audição. O corpo é todo cinza escuro, com finas listras transversais mais claras na barriga. Garganta toda branca e íris amarelo-alaranjado.